Earthlings (Terráqueos)

Atenção, este documentário pode ferir suscetibilidades.

Se eventualmente não conseguires ver este vídeo, pelo menos lê o texto.

Ao visualizar o documentário “Earthlings” ( “Terráqueos”) fez-me refletir (ainda mais) na forma como os seres humanos se comportam perante as outras espécies. Elas também deveriam ter o direito a viver em paz no pedacinho de terra que juntos partilhamos.

Eu sei que o ser humano pode ser muito cruel, mas depois de ver o documentário, fiquei ainda mais chocada, apavorada, com a forma errada com que o homem domina os seres vivos existentes no nosso planeta.

É urgente darmos voz aos animais! Como sabemos, eles não se exprimem na mesma linguagem que nós. Mas, se formos inteligentes o suficiente, se formos sensíveis e deixarmos de ser ignorantes, saberemos que os animais sentem exatamente como nós. Eles sentem fome, frio, dor, sentem a necessidade de conforto, são sensíveis e alguns até muito inteligentes (como é o caso, por exemplo, dos golfinhos).

Infelizmente, o homem julga-se superior a qualquer outra espécie. Julga-se o mais racional. Lamentavelmente, como se pode constatar nas suas ações desumanas, o homem não é o mais inteligente à face da Terra. Este homem que se considera racional é o único que comete as mais horrendas atrocidades em animais indefesos;

O homem é o único que mata para ganhar dinheiro;

O homem é o único que tortura por iniciativa própria, sem pensar no sofrimento infligido a um ser vivo;

O homem é o único que explora de forma desumana os animais. Seja por divertimento, por causa da moda, nas experiências laboratoriais, e lá está mais uma vez, explora somente para lucrar.

Até quando, a maioria da humanidade vai continuar adormecida perante tal crueldade?

O que se poderá fazer para evitarmos tais atrocidades?

Em que mundo se deseja viver!?

E, o mais importante, como se deve educar as crianças de hoje, a serem mais sensíveis, mais protetoras de todos os animais existentes no mundo? 

Lamentavelmente, de uma coisa eu tenho a certeza, se o homem continuar a agir de forma cruel em relação aos animais, a tortura irá continuar…

A humanidade tem de começar a agir! Não pode simplesmente ficar de braços cruzados, a observar o sofrimento animal, e sem nada fazer!


Como é referido no documentário, Isaac Singer disse um dia, “no seu comportamento em relação aos animais, todos os homens são nazistas, a presunção com o qual o homem pode fazer o que quiser com outras espécies exemplifica as teorias racistas mais extremas, a lei do mais forte.”

Concordo com as palavras do autor. A frase que ele mencionou, comprova a realidade dos dias de hoje.

O homem explora como bem entende os animais. Mata-os da forma que mais lhe convém (por exemplo, em câmaras de gás). Infelizmente, o homem tortura os animais de todas as formas possíveis e imaginárias. Este tipo de homem, sem dúvida, é nazista!

Não é justo, “um grupo de seres vivos angustiar nas mãos de outro!”

Até quando o assassinato de animais irá continuar?

Porque é que a maior parte da humanidade aceita o sofrimento infligido noutros seres vivos?

Relativamente a esta questão, posso dizer que os seres humanos aceitam, porque a maior parte das pessoas desconhecem tais atrocidades cometidas nos animais.

O sofrimento infligido a um ser, e a maior parte das experiências infligidas nestes, são feitas longe dos olhares do público. E, os telejornais não mostram! Se o fizessem, o sistema económico decaía. Por isso, este tipo de notícias não aparece nos meios de comunicação social.

Na minha opinião, existe um outro fator que faz com que a humanidade “aceite” o sofrimento animal. Lamentavelmente, o ser humano prefere não ver a realidade cruel que o cerca. Ignora as imagens sangrentas, onde os animais agoniam. 

Mas, somente quando se tem coragem para ver realmente o sofrimento dos animais, é que algo muda no mundo. As imagens dão-nos o motivo pelo qual devemos lutar. Devemos lutar pelo bem-estar animal. Assim como, lutamos pelo nosso.

Por favor, vejam este tipo de documentários. Ganhem a tal coragem que refiro, e deixem de sentir medo. Deste modo, tornar-nos-emos mais conscientes do que se passa no nosso mundo. Das atrocidades cometidas em seres inocentes, indefesos… Sejamos a voz deles, juntos poderemos fazer a diferença, juntos podermos salvá-los!

Como se costuma dizer, “olhos que não vêm, coração que não sente”, e é verdade!

Só vendo, e sentindo, é que poderemos fazer a diferença!

Pensa nisto, e age de forma correta!

Lembra-te, os seres vivos não são meros objetos. Dentro daquele corpo existe uma vida, e uma vida deve ser respeitada! 

Se os humanos não são coisas, o mesmo se deveria aplicar aos animais. Não achas?

“A questão de igualdade usa uma nova face!”

Porquê?

Porque nós “concordamos que os animais não têm todos os desejos que um humano tem. Concordamos que eles não compreendem tudo que nós humanos entendemos. No entanto, nós temos alguns desejos em comum, e compreendemos coisas que eles também compreendem. Os desejos por comida e água abrigo e companhia, liberdade de movimentos e de não sentir dor. (…) Tal como os humanos, muitos animais não humanos entendem o mundo no qual vivem. Se não, eles não poderiam sobreviver. Apesar de todas as diferenças, existe igualdade. Tal como nós, esses animais incorporam o maravilhoso misterioso da consciência. Como nós, eles não somente estão no mundo, mas estão cientes dele. Como nós eles são o centro psicológico de uma vida que é somente sua. Nestes princípios fundamentais, humanos estão lado a lado com porcos, vacas, galinhas e perus. Qual é a nossa obrigação com esses animais, como devemos tratá-los moralmente? São perguntas cujas respostas começam com o reconhecimento da nossa semelhança psicológica com eles. ” (Earthlings)

Quando será que o ser humano irá entender tudo isto?

Quando será que o ser humano irá tratar os animais com respeito?

O ser humano deveria ser mais sensível para com as outras espécies; deveria ver para além do que os seus olhos vêm; deveria conseguir compreender os outros seres vivos, em vez de os chacinar; deveria deixar de os ver os animais como uma simples imagem mental, e começar a vê-los realmente, mas a vê-los com o coração, com “olhos de ver”; deveria conseguir observar a beleza rara de cada ser existente no nosso planeta Terra.

Pergunto-me, até quando o ser humano vai continuar a sujar as mãos com sangue?

Até quando ele vai continuar um assassino?


Todos nós adoramos ter animais de estimação. Mas, alguma vez te questionas-te de onde vêm os nossos animais de estimação? Principalmente, os de raça?

Lojas de animais e Fábricas de filhotes

As “Fábricas de filhotes” são empresas de pequeno orçamento que criam cães para venderem às lojas de animais.”

Na minha opinião, não se deve comprar animais, mas sim adotar!

Deste modo, evitaremos que as “fábricas de filhotes” se propaguem, e continuem a lucrar à custa do sofrimento dos animais. Pensa nisto!

Ainda mais, quando sabemos que nos canis existem sempre imensos animais que estão a precisar de encontrar um novo dono. São vidas que salvamos, e não se paga absolutamente nada por elas!

Para que seja do teu conhecimento, os animais nas “fábricas de filhotes”, sofrem de stress, têm problemas físicos e psicológicos quando crescem. Por estarem demasiado tempo presos em gaiolas demasiado pequenas. Assim como, as condições onde se encontram são lastimáveis. É-lhes dado muito pouco alimento, e não têm cuidados veterinários. Tudo isto, porque estas “fábricas” só pensam em lucrar, e não em gastar.

Por vezes, os animais nas “fábricas de filhotes” ficam ao frio, ao calor, à chuva. A outros, danificam-lhes as cordas vocais para evitar que ladrem. Quando as fêmeas não podem mais reproduzir-se (elas são obrigadas a reproduzirem-se cio após cio) são abandonadas ou mortas. Só para que fiques com uma ideia, um “Cocker pode dar à luz 140 filhotes”.

Quando os filhotes vão parar às lojas de animais, também sabemos que durante muito tempo estão ali confinados a um pequeno quadrado, sem poderem sequer movimentar-se livremente. Não me refiro a estarem expostos só durante o dia, mas a 24h sobre 24h. Consegues imaginar a sua aflição? O sofrimento que devem sentir?

É muito triste imaginarmos um cenário assim!

Os animais não são objetos para se exporem em vitrinas! Deveria de ser proibido, venderem-se animais!

Cabe a cada um de nós tornar-se mais consciente, evitando a sua compra.

Faz esta pergunta a ti mesmo, porque é que os “humanos que têm poder, exploram aqueles que não o têm”?

Na minha opinião, a resposta é simples… O homem só pensa em dinheiro!

Portanto, o sistema económico é o principal culpado pelo sofrimento causado a tantos seres indefesos.

O sistema económico fez uma lavagem cerebral à maior parte da humanidade. Devido a tal facto, os seres humanos, principalmente, os gananciosos, fazem qualquer coisa para atingir os seus objetivos. Ou seja, o de enriquecer a qualquer custo! Nem que para tal, tenham de matar seres que não têm culpa da sua irracionalidade, da sua ganância, da sua insensibilidade…

Por favor, entendam de uma vez por todas que o dinheiro não é o mais importante!

As vidas é que são!

Como é do nosso conhecimento, a cada dia que passa são cada vez mais os animais abandonados. Mas, já alguma vez pensaste o que lhes poderá acontecer?

Ora vejamos, sabemos que alguns animais abandonados são levados para a casa de alguém com coração. Outros são atropelados e acabam por morrer. Outros são levados para os canis. Alguns são adotados. Infelizmente, os que não têm a mesma sorte são mortos!

Cães de rua

“Estima-se que cerca de 25 milhões de animais vão parar às ruas a cada ano. E até 27% dos cães de raça estão entre os abandonados.” Ou seja, estes cães de raça são aqueles que se compram nas lojas de animais! Se a verdadeira intenção não for a de ficar para “sempre” com o animal, para quê comprá-lo?

Sê racional quando adotas um animal! 

Avalia se tens possibilidades, e paciência, para cuidares dele até ao fim dos seus dias.

Avalia se tens espaço suficiente em casa para o animal.

Avalia se tens possibilidades financeiras para o alimentar convenientemente, e para o levares ao veterinário caso seja necessário.

Deste modo, ou seja, consciente da realidade, é que se poderá fazer a diferença! Como é óbvio, evita-se que muitos animais vão parar à rua.

“Desses 25 milhões de animais de rua, uma média de 9 milhões morrem nas ruas de doenças, fome, exposição, ferimentos, ou outros perigos da vida nas ruas (…). Os restantes 16 milhões são mortos por falta de espaço em abrigos ou canis. Infelizmente, além disto tudo, quase 50% dos animais que ingressam nos canis são trazidos pelos próprios donos.”

É mesmo muito triste imaginar esta quantidade exorbitante de animais aprisionados em canis.

E mais triste ainda, é saber que se pode ser consciente e o homem continua a agir de forma inconsciente!

Estamos a falar de vidas, e não de objetos! São seres que precisam de amor, atenção, carinho, conforto, alimento, tal e qual um ser humano.

Se a maioria das pessoas não abandonam os seus filhos, porque é que abandonam os animais?

Nunca consegui entender, e acho que nunca entenderei as pessoas que praticam tal maldade.

Na minha opinião, as lojas de animais deveriam exigir a implementação de um micro chip no animal, antes destes saírem das lojas. No caso de perda ou abandono do animal, facilmente se acede à informação registada no micro chip. Logo, ao dono!

Para a grande maioria doa animais em canis, e em abrigos, o que os espera é a morte!

Só para te dar alguns exemplos, em mais de 60 mil animais por dia, é praticada a Eutanásia (definida como,”ato de matar sem dor por misericórdia”). Ou seja, é-lhes administrada uma injeção letal, em segundos o animal morre.

“Em alguns abrigos com orçamento reduzido são forçados a usar câmaras de gás. Os animais são enfiados em caixas e podem levar até 20 minutos a morrer.”

 Já imaginaste a agonia causada a estes animais?

A dor que devem sentir?

Sinceramente, causa-se tanto sofrimento aos animais, só porque é mais barato!

Não consigo entender, não existe uma explicação plausível para tal ato macabro!

Somos seres desumanos, demasiado insensíveis!

Por exemplo, na Turquia (é só um exemplo de um país) existe “superpopulação de animais de rua”. Lá, os animais são mortos ou feridos a tiro de espingarda. É demasiado cruel!

Quando será que o homem irá perceber que o principal responsável pelas “superpopulações” de animais é ele mesmo?

Os animais não são pragas!

A pessoa que adota ou compra deve ser responsável ao adquirir um animal. Na minha opinião, deve mandá-lo castrar. Deste modo, evitar-se-ia a sua reprodução. No caso de se perderem ou de serem abandonados.

Sinceramente, é revoltante, os animais pagarem pelas ações irracionais do ser humano.

De onde vem a nossa comida?

Como é do nosso conhecimento, alimentamos nos de outras espécies. 

Mas, já alguma vez te perguntaste como é que os animais viveram as suas vidas?

Será que eles tiveram uma morte rápida e sem sofrimento?

Se soubesses que os animais sofrem imenso antes de vir parar ao teu prato, comerias na mesma?

Dá que pensar, não dá!

Com a industrialização, apareceu a produção em massa do que quer que seja… Incluindo a produção em massa de animais. O facto de nos dias de hoje existirem demasiados locais de venda leva a que nos matadouros todos os dias se abatam uma quantidade exorbitante de animais, que depois vão parar aos locais de venda ao público.

O que acontece nos matadouros “é uma variação do tema de exploração dos fracos pelos fortes. Mais de 10 mil vezes por minuto, 6 biliões de vezes por ano, apenas nos Estados Unidos, a vida é literalmente drenada dos animais que utilizamos para alimentação. Tendo o poder, os humanos decidem quando esses animais vão morrer, onde eles vão morrer e como vão morrer. Os interesses desses animais não fazem a menor diferença na determinação do seu destino.”

É demasiado revoltante!

“As pessoas esperam que a carne que compram venha de um animal que morreu sem dor. Mas, estas pessoas não querem saber a verdade.”

Para te dar um exemplo, nos matadouros, as pessoas que lá trabalham dão choques elétricos nos porcos, e ainda gozam com eles. Proferindo palavras do género, “eu errei, docinho! Eu vou-te pegar de novo! Eu peguei-te!” É triste, estes homens terem-se tornado tão insensíveis…

O porco acaba por ficar ali com convulsões, em sofrimento, até morrer. Outros, são pendurados por uma só pata, e é-lhes infligido golpes nas patas ou no pescoço até se esvaírem em sangue.

Infelizmente, em muitos locais do mundo, os animais sofrem muito antes de morrer! 

O processo pelo qual os animais passam é o seguinte (podes visualizar pormenorizadamente no documentário):

Marcação: para a carne de vaca os animais são todos marcados. Neste caso, na cara! São marcados com um ferro incandescente (ou seja, em brasa)!

Dói muito olhar para as filmagens de um animal a passar por este processo cruel. O animal sofre muito! O gemido que ele solta é doloroso de se ouvir.

Como é que existem pessoas capazes de praticar tal ato macabro?

Onde estão as alternativas inofensivas?

Corte dos chifres: o corte dos chifres normalmente é feito sem anestesia, e com um alicate bem grande. Nas filmagens que nos mostram este ato macabro, o local de onde é extraído o chifre começa a jorrar imenso sangue. Eu comparo tal extração, à de um dente…

Já imaginaste a dor que sentirias ao te extraírem um dente sem anestesia?

Agora imagina a dor que um animal sente ao lhe arrancarem os chifres desta maneira.

Ele agonia, ele contorce-se todo, ele sofre da dor que lhe é infligida!

As atitudes do homem perante os animais são demasiado incorretas.

Leite: ” as vacas leiteiras ficam amarradas no mesmo lugar o dia inteiro, jamais se exercitando.”

Imagina o sofrimento causado a um animal deste tamanho. Obrigado a passar o dia todo na mesma posição…

Tudo isto é demasiado desumano!

“Pesticidas e antibióticos são usados para aumentar a sua produção de leite. Até que chega o momento, em que as vacas leiteiras (…) caem de exaustão. Normalmente, as vacas vivem até aos vinte anos. Mas, geralmente, as vacas leiteiras morrem antes de completar os quatro anos. Neste ponto, a sua carne é usada para restaurante de fast-food.”

No passado, as vacas tinham uma vida saudável no pasto, e os humanos alimentavam-se delas, de forma saudável.

Agora assim?

É-lhes dado antibióticos e pesticidas para aumentarem a produção de leite?

Como sabemos se é ou não é prejudicial à vida humana? Isto, a longo prazo?

Carne


– A pistola de projéteis, foi desenvolvida para deixar os animais inconscientes, sem causar dor, dispara um projétil de aço impulsionado por ar comprimido ou cartucho de festim, direto no cérebro do animal.”

– Sangramento: existem vários métodos de abate. Neste matadouro em Massachusetts (Estados Unidos), a vaca é içada e a sua garganta cortada. Junto com a carne, o seu sangue também será utilizado. Embora o animal tenha recebido um projétil na cabeça, que supostamente devia tê-lo atordoado, como você pode ver, o animal ainda está consciente. Às vezes, mesmo após o sangramento eles ainda continuam vivos e estão a caminho de serem cortados.”

Posso dizer-te que chorei ao ver todas estas imagens. São demasiado duras, chocantes, agonizantes… Tive de parar imensas vezes, para recuperar forças, e continuar a escrever este texto. Foquei-me na minha frase, a realidade deve ser mostrada, e não ignorada. Só deste modo se pode lutar, dar voz aos animais, salvá-los!

Se o homem se quer alimentar com a carne de outros seres, deveriam ser obrigados a proporcionar-lhes uma morte indolor, e não fazê-los sofrer desta maneira! É Horrível!

Lamentavelmente, constatei que muitos homens são o demónio em pessoa!

O Glatt Khosher é o maior matadouro dos Estados Unidos da América. Glatt em iídiche significa “suave”. Infelizmente, posso garantir-te que pelas imagens filmadas neste local, as pessoas que lá trabalham não são nada suaves para com os animais. Segundo o documentário, as regras deste local exigem o mínimo de sofrimento. Não entendo porque é que esta regra não é colocada em prática.

Infelizmente, as provas existem nas filmagens, onde se vê a forma cruel como matam os animais.

Nunca imaginei que o homem fosse capaz de cometer tais atrocidades aos animais, antes de usufruírem da sua carne… 

Como já referi, e volto a mencionar, o grande responsável por toda esta chacina e exploração de outros seres, é o sistema económico. Este corrompe o ser humano, levando-o a seguir caminhos fáceis só para enriquecer a qualquer custo!

Na minha opinião, o dinheiro deveria de desaparecer da face da terra. Existem sempre alternativas, sempre!

Sinceramente, tenho vergonha de pertencer à espécie humana. A única que mata animais em massa desnecessariamente…

Onde estão as soluções sustentáveis?

Continuando:

Vitela: Nas filmagens podemos observar as vitelas a serem exploradas de forma severa. Estas são “tiradas das suas mães dois dias após o nascimento. São amarradas pelo pescoço, e os seus movimentos são restringidos para evitar que os seus músculos se desenvolvam. São colocadas a uma dieta líquida, deficiente em ferro. A água, luz e repouso são-lhes negados. Depois de quatro meses dessa existência angustiante, são abatidas. “

Porquê?

Porque é que tratam os animais assim?

É tão revoltante!

Eles fornecem-nos a sua carne para nos alimentarmos. Com que direito o homem os trata desta forma monstruosa?

Deveriam de ser tratados com dignidade, isso sim!

Porcos

“As fêmeas em fazendas industriais são máquinas de reprodução. Mantidas constantemente grávidas por inseminação artificial. Grandes granjas de suínos “fabricam”, como eles mesmos gostam de dizer, entre 50 mil e 600 mil porcos por ano.”

Só observando o que verdadeiramente se passa nestes locais, é que conseguimos ter noção dos maus tratos causados a estes animais.

No documentário, observei porcos bebés cobertos de moscas; as fêmeas que amamentam os seus filhotes têm feridas enormes expostas no lombo; também se podem examinar as mesmas feridas expostas, nos animais que se encontram nas gaiolas de gestação; muitos deles têm abcessos enormes pendurados no corpo; o canibalismo é praticado entre estes seres. Podemos visualizar alguns a comer as orelhas uns dos outros, a comerem feridas expostas noutros, a comerem as caudas uns dos outros… É um cenário horrível!

Eu fiquei chocada, não tenho palavras para descrever realmente as condições em que estes seres se encontram, vivem… 

Para que tenhas uma ideia, as caudas dos porcos e as orelhas dos porcos bebés são cortados sem anestesia. Os dentes (alguns) são arrancados com alicates, para evitar que se mordam uns aos outros.

Os seus gritos são agoniantes! Infelizmente, este método não adianta de nada, como constatei eles mordem-se na mesma uns aos outros.

Imagina a dor que um porco bebé sente?

Como disse, cortam-lhes as orelhas; a cauda; arrancam-lhes os dentes, e cada ação destas, é efetuada uma a seguir à outra… É demasiado revoltante!

A castração dos porcos também é feita sem qualquer tipo de analgésico ou anestesia.

Dá que pensar não dá?

Já alguma vez te ocorreu que um animal sofresse tanto antes de chegar ao teu prato?

Para ser sincera, eu pensava que eles não sofressem desta forma…

Mas, eu vivia numa ilusão… Assim como, a grande maioria da humanidade vive!

Os bastões de choques elétricos são utilizados para “facilitar” o manejo dos animais.

Consegues imaginar o sofrimento causado?

Posso dizer-te que os porcos ficam ali a contorcer-se de dor, ficam incapazes de sentir as patas traseiras, depois são arrastados pelas orelhas para os locais pretendidos pelo homem.

Eletrocussão, considerado outro método de abate.

Imagina um alicate gigante que se prende à volta do pescoço do animal, e este automaticamente é eletrocutado, morto…

Mas, o método mais barato é o corte da garganta do animal com uma faca. Infelizmente, este é o método mais utilizado.

A quantidade de sangue que jorra da garanta do animal, é horripilante!

O porco está ali pendurado por uma pata a escoar-se em sangue, ou seja, está em sofrimento.

Deveriam proporcionar ao animal uma morte rápida e indolor, e não deste modo!

Custava-lhes assim tanto, matar os animais de uma forma mais digna?

Acredito que não…

Fervura e remoção de pelos – “Depois de serem furados por facas, os porcos são acorrentados, suspendidos num trilho, e imersos num tanque escaldante para remover os seus pelos. Muitos ainda estão a lutar quando são levados para os tanques de água a ferver, onde são mergulhados e afogados.”

Onde estão os sentimentos das pessoas que trabalham nestes locais?

Será que eles sentem prazer em observar os animais a sofrer?

Ou será que por trabalharem há imenso tempo nestes locais, ficaram indiferentes ao sofrimento dos animais?

Ou será que é por terem consciência que os animais vão morrer, e por tal, é que não sentem nada?

Sinceramente, não entendo!

Como é possível, tudo isto?

Aves

“Relativamente às aves, os americanos consomem tanta galinha num único dia quanto consumiram um ano inteiro na década de 30. As maiores indústrias no mundo abatem hoje mais de 8,5 milhões de aves numa única semana.”

Dá que pensar não dá?

Na minha opinião, a produção deveria ser sustentável! Infelizmente, não é!

A debicagem é feita nos pintos, e mais uma vez de forma dolorosa. “O procedimento é muito rápido, aproximadamente 15 animais por minuto.” O bico é colocado em uma máquina, e este é cortado. Mas, muitas das vezes, chegam a causar ferimentos nos bicos destes pequenos seres.

Sinto-me indignada com tanta maldade no homem!

As condições de vida destas aves também são desumanas. Num só armazém, chegam a estar 60 a 90 milhões de aves. “O sofrimento destes animais é contínuo, apesar de terem os seus bicos cortados, elas ainda tendem a picar-se.”

As galinhas poedeiras vivem dentro de gaiolas estreitas, “muitas perdem as suas penas e desenvolvem feridas por se roçarem contra as gaiolas de arame. A superlotação impede que elas abram as suas asas, e as galinhas não conseguem realizar os seus instintos naturais mais básicos.”

Transporte

“Durante o transporte todos os animais sofrem muito, e morrem. Eles sufocam quando outros animais são empilhados sobre eles. Em gaiolas superlotadas, e brutalmente transportadas. O calor, ou as baixas temperaturas, o cansaço, os traumas e as duras condições vão matar alguns desses animais no caminho para o matadouro.”

O documentário aborda ainda a poluição dos oceanos; a caça à baleia; a caça aos golfinhos; a matança de vacas “sagradas” da Índia, para se fazerem casacos com as suas peles; a matança das focas no Canadá; as experiências laboratoriais em animais; a desflorestação. Assim como, o sofrimento causado aos animais dos circos, em rodeios, touradas; a caça por desporto… Eu já abordei em publicações anteriores estes temas. Por isso, não os irei repetir neste texto.

Como podes constatar, é errado julgarmos que os animais são transportados de forma cómoda, que vivem em um local limpo, arejado, tendo espaço suficiente para se movimentarem ou que nos matadouros têm uma morte rápida. Lamentavelmente, a realidade é esta… 

Para além dos locais filmados no documentário (Estados Unidos da América), de certeza que não é o único país a tratar os animais desta forma. Devem existir muitos locais deste tipo espalhados pelo mundo.

Só sei que para as mentes comuns, ou seja, para as mentes do homem que vive inconsciente, se eu lhes fosse a falar do sofrimento causado aos animais, por exemplo, antes destes virem parar ao seu prato, eles nunca iriam acreditar em tal. Porque não é mostrado nos telejornais, nas revistas, nos jornais…

Ainda bem que existe a Internet, pelo menos desperta-nos para a cruel realidade existente no mundo. Neste caso, para a realidade desumana pela qual os animais passam.

Como eu costumo dizer, a realidade é para ser mostrada, e não para ser ignorada!

A humanidade deveria de retirar a venda dos olhos, e constatar por si mesma, o mal que estão a causar aos animais. Afinal, o que os humanos ganham com a sua dor?

Sinceramente, nenhuma espécie nos anda a capturar, e a matar em massa. Como o homem faz com todas as espécies existentes no mundo. Infelizmente, somos a única espécie que mata por capricho, por futilidades… Espero que um dia tudo isto termine…

Na minha opinião, todos os animais existentes no mundo, sem excluir um que seja, têm o direito de viver na Terra com dignidade. Se nós temos esse direito, todas as outras espécies também o devem ter… 

Um pequeno discurso que vale a pena visualizar:

Para finalizar, deveríamos de agir como este pequeno primata. Ele é muito mais inteligente do que qualquer ser humano.

Temos de começar a proteger o próximo, mesmo que não pertença à nossa espécie!

“O que mais me preocupa não é o grito dos violentos, nem dos corruptos, nem dos desonestos, nem dos sem ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons.”

Martin Luther King


2 comentários

nokitas · 22 de Outubro de 2012 às 22:05

Olá Dariele, as fontes dos dados dos meus textos foram baseados num documentário que eu vi… o texto é da minha autoria.

Dariele · 22 de Outubro de 2012 às 15:26

Olá adoreiii a publicação, tns fontes dos dados? estou desenvolvendo um artigo que traz sobre essa matança do século xxi, mas me faltam livros para a fundamentação do trabaho, podem me ajudar???

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos relacionados

Animais do nosso mundo

Estamos na Era do Holocausto Animal, cabe-te a ti decidir mudar!

Visualiza este vídeo e passa a quem conheças.  Juntos podemos fazer a diferença! Quem conseguir mudar os seus hábitos, não estará a contribuir para tal crueldade!

Animais do nosso mundo

Estamos a transformar os belos elefantes em assassinos de seres humanos, lê e descobre porquê!

Se o homem entendesse quantas espécies se extinguiram e quantas estão em vias de extinção, devido à sua irracionalidade, talvez começasse a olhar para os animais com outro olhar. Um olhar profundo, interrogador, não para Ler mais…

Animais do nosso mundo

Crueldade infligida aos tubarões! Basta!

Antes de abordar o tema principal, quero que saibas que os tubarões não são “assassinos sanguinários”, é um mito! “Não mais que doze pessoas por ano são mortas por tubarões pelo mundo. De fato, é Ler mais…