A natureza está constantemente a privilegiar-nos.

Infelizmente, uma parte da humanidade não valoriza o que ela nos oferece.

É necessário, que os olhos que observam a natureza sejam olhos sensíveis. Olhos que sentem. Olhos que ouvem. Olhos que observem a natureza com sentimento.

Reflecte comigo:

Quando foi a última vez que te sentaste a olhar as nuvens, o céu, os pássaros que voam acima de ti?

Quando foi a última vez que te sentaste ou te deitaste na terra livremente, isto sem medo de te sujares?

Quando foi a última vez que conseguiste percecionar as variadas tonalidades de verde existente na natureza?

Quando foi a última vez que sentiste a terra, a areia, entre os teus dedos?

Quando foi a última vez que sentiste a chuva, o cheiro a terra húmida?

Quando foi a última vez que sentiste verdadeiramente os raios do sol a incidirem sobre o teu corpo?

Quando foi a última vez que ouviste o silêncio da natureza, sem verdadeiramente existir silêncio absoluto?

Quando foi a última vez que observaste um dia a nascer?

Quando foi a última vez que te deitaste no chão a observar as estrelas, sem em nada de especifico pensares?

Quando foi a última vez que sentiste a textura de um tronco, de uma folha, de uma pedra ou de uma simples flor?

Quando foi a última vez que observaste um animal com muita atenção?

Quando foi a última vez que sentiste amor, ao observar a natureza?

Quando foi a última vez que te sentiste verdadeiramente a ti próprio?

Quando foi a última vez que valorizaste a natureza?

Vive, sente, ama, valoriza as coisas mais simples que existem na natureza. Tu fazes parte dela, um dia a ela retornarás.

A natureza está constantemente a privilegiar-nos.

Infelizmente, uma parte da humanidade não valoriza o que ela nos oferece.
É necessário, que os olhos que observam a natureza sejam olhos sensíveis. Olhos que sentem. Olhos que ouvem. Olhos que observem a natureza com sentimento.

Quando foi a última vez que te sentaste a olhar as nuvens, o céu, os pássaros que voam acima de ti?
Quando foi a última vez que te sentaste ou te deitaste na terra livremente, isto sem medo de te sujares?

Quando foi a última vez que conseguiste percecionar as variadas tonalidades de verde existente na natureza?
Quando foi a última vez que sentiste a terra, a areia, entre os teus dedos?
Quando foi a última vez que sentiste a chuva, o cheiro a terra húmida?
Quando foi a última vez que sentiste verdadeiramente os raios do sol a incidirem sobre o teu corpo?
Quando foi a última vez que ouviste o silêncio da natureza, sem verdadeiramente existir silêncio absoluto?
Quando foi a última vez que observaste um dia a nascer?
Quando foi a última vez que te deitaste no chão a observar as estrelas, sem em nada de especifico pensares?

Quando foi a última vez que sentiste a textura de um tronco, de uma folha, de uma pedra ou de uma simples flor?

Quando foi a última vez que observaste um animal com muita atenção?

Quando foi a última vez que sentiste amor, ao observar a natureza?

Quando foi a última vez que te sentiste verdadeiramente a ti próprio?
Quando foi a última vez que valorizaste a natureza?
Vive, sente, ama, valoriza as coisas mais simples que existem na natureza. Tu fazes parte dela, um dia a ela retornarás.

A natureza está constantemente a privilegiar-nos.

Infelizmente, uma parte da humanidade não valoriza o que ela nos oferece.

É necessário, que os olhos que observam a natureza sejam olhos sensíveis. Olhos que sentem. Olhos que ouvem. Olhos que observem a natureza com sentimento.

Quando foi a última vez que te sentaste a olhar as nuvens, o céu, os pássaros que voam acima de ti?

Quando foi a última vez que te sentaste ou te deitaste na terra livremente, isto sem medo de te sujares?

Quando foi a última vez que conseguiste percecionar as variadas tonalidades de verde existente na natureza?

Quando foi a última vez que sentiste a terra, a areia, entre os teus dedos?

Quando foi a última vez que sentiste a chuva, o cheiro a terra húmida?

Quando foi a última vez que sentiste verdadeiramente os raios do sol a incidirem sobre o teu corpo?

Quando foi a última vez que ouviste o silêncio da natureza, sem verdadeiramente existir silêncio absoluto?

Quando foi a última vez que observaste um dia a nascer?

Quando foi a última vez que te deitaste no chão a observar as estrelas, sem em nada de especifico pensares?

Quando foi a última vez que sentiste a textura de um tronco, de uma folha, de uma pedra ou de uma simples flor?

Quando foi a última vez que observaste um animal com muita atenção?

Quando foi a última vez que sentiste amor, ao observar a natureza?

Quando foi a última vez que te sentiste verdadeiramente a ti próprio?

Quando foi a última vez que valorizaste a natureza?

Vive, sente, ama, valoriza as coisas mais simples que existem na natureza. Tu fazes parte dela, um dia a ela retornarás.

Categorias: As minhas reflexões

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos relacionados

As minhas reflexões

Quantas pessoas…

Quantas pessoas se cruzam connosco durante o tempo das nossas vidas? Quantas pessoas nos marcam para sempre? Quantas pessoas se ausentam das nossas vidas? Quantas pessoas que gostávamos ou que conhecíamos morreram? Quantas pessoas nos Ler mais…

As minhas reflexões

A vida é um caminho…

A vida é um caminho que todos nós temos de percorrer. Por vezes, este caminho transforma-se num subida bastante íngreme, muito custosa de subir. A caminhada é difícil, pois tem-se a sensação que se caminha Ler mais…