O comportamento das pessoas que não pertencem ao nosso pequeno, grande mundo, é muito diversificado. Ora vejamos:

Existem pessoas que não acreditam no que os outros dizem.

Existem pessoas que não se preocupam com os outros.

Existem pessoas que humilham, sem darem a oportunidade do outro se dar a conhecer.

Existem pessoas que sentem prazer em se superiorizar ao outro.

Existem pessoas que são demasiado falsas.

Existem pessoas que se aproveitam dos mais vulneráveis.

Existem pessoas que têm a capacidade de mudar a opinião de terceiros, em relação a um outro. Isto, sem o conhecerem minimamente. Entre tantas outras pessoas… 

Portanto, este tipo de pessoas está constantemente a cruzar o nosso caminho. Elas vão aparecendo, e desaparecendo das nossas vidas…

Apesar dos aspetos negativos que estas pessoas transmitem, também têm um aspeto que eu considero positivo. Com elas aprendemos sempre algo, mais não seja, a de nos conhecermos melhor a nós próprios. Por exemplo, se temos ou não a capacidade para lidarmos com elas. 

Mas, estas pessoas não contribuem para a nossa felicidade.

As pessoas do nosso pequeno, grande mundo, são as que realmente importam! Estas pessoas são a nossa família que nos ama, e os verdadeiros amigos que nos completam. 

As pessoas do nosso pequeno, grande mundo, aceitam os nossos defeitos, e as nossas virtudes. 

As pessoas do nosso pequeno, grande mundo, são as que verdadeiramente se interessam, e se preocupam connosco. Elas dão-nos apoio, e muito Amor. E por gostarem muito de nós, dizem-nos sempre a verdade, mesmo que seja dolorosa.

As pessoas do nosso pequeno, grande mundo, são sinceras, honestas, no seu sentimento para connosco. 

As pessoas do nosso pequeno, grande mundo, darão a sua vida pela nossa, caso seja necessário.

As pessoas do nosso pequeno, grande mundo, apreciam a nossa beleza interior, para além da física.

As pessoas do nosso pequeno, grande mundo, acreditam, e nos fazem acreditar nas nossas capacidades.

As pessoas do nosso pequeno, grande mundo, por vezes, podem amar-nos sem sabermos. 

As pessoas do nosso pequeno, grande mundo, são as especiais. Elas são em menor número, relativamente à imensidão de pessoas que constantemente se cruza connosco. 

As pessoas do nosso pequeno, grande mundo, transformam-nos naquilo que somos… Por isso, tudo o que é exterior ao nosso mundo, não vale a pena darmos-lhe importância. Deve-se deixá-lo do lado de fora da porta. Para que possamos ser felizes, e fazer felizes as pessoas que realmente nos amam. 

Sei que nada sou para imensas pessoas, mas sei que para algumas sou o seu mundo.

Categorias: As minhas reflexões

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos relacionados

As minhas reflexões

Quantas pessoas…

Quantas pessoas se cruzam connosco durante o tempo das nossas vidas? Quantas pessoas nos marcam para sempre? Quantas pessoas se ausentam das nossas vidas? Quantas pessoas que gostávamos ou que conhecíamos morreram? Quantas pessoas nos Ler mais…

As minhas reflexões

A vida é um caminho…

A vida é um caminho que todos nós temos de percorrer. Por vezes, este caminho transforma-se num subida bastante íngreme, muito custosa de subir. A caminhada é difícil, pois tem-se a sensação que se caminha Ler mais…